• Rua Lucaia, 281, Edf WM, Sala 108 - Rio Vermelho, Salvador-BA - CEP: 41940-660
  • 71 - 3335-5709
  • fundacao@idh.org.br
  • Relatório do governo americano sobre direitos humanos cita Operação Lava Jato

    Relatório do governo americano sobre direitos humanos cita Operação Lava Jato

    O relatório anual sobre direitos humanos no mundo divulgado nesta quinta-feira pelo Departamento de Estado americano menciona, no capítulo destinado ao Brasil, a Operação Lava Jato e a corrupção no governo e Congresso. No item sobre ‘Corrupção e Falta Transparência no Governo’, o documento cita a legislação criada para combater a corrupção no país, mas ressalta que ela “nem sempre foi aplicada efetivamente e houve muitos casos de corrupção no governo”. O relatório cita que cerca de 200 dos 594 membros do Congresso enfrentaram processos criminais no Supremo Tribunal Federal em 2014. Sobre a operação da Polícia Federal que investiga corrupção na Petrobras, o relatório destaca a prisão do doleiro Alberto Youssef e do ex-diretor da estatal Paulo Roberto Costa.

    LEIA MAIS:EUA denunciam abusos contra opositores na Venezuela

    As péssimas condições e a superlotação nas cadeias brasileiras também são lembradas pelo Departamento de Estado americano. “Abusos praticados por guardas, inclusive abusos sexuais, continuam ocorrendo em muitas prisões. Péssimas condições de trabalho e baixa remuneração dos carcereiros encorajam a corrupção” nesses ambientes, diz o relatório.

    Sobre violência policial, os americanos apontam o número desproporcional de jovens negros com menos de 25 anos mortos policiais em “atos de resistência”. O relatório lembra o caso da mulher baleada que caiu da viatura da Polícia Militar, no Rio de Janeiro, em março do ano passado, e foi arrastada por 250 metros. O Departamento de Estado americano ressalta que a legislação brasileira prevê prisão de até oito anos para trabalho escravo, mas isso não impede que o crime ocorra em diversos estados do país.

     

    Liberdade de imprensa – Com dados da Associação Brasileira das Emissoras de Rádio e Televisão (Abert), o relatório de direitos humanos informa que cinco jornalistas brasileiros foram mortos no primeiro trimestre de 2014, como o cinegrafista Santiago Andrade, da TV Bandeirantes, atingido por um rojão durante um protesto no centro do Rio. O documento também lembra do caso de difamação praticado contra jornalistas Miriam Leitão e Carlos Alberto Sardenberg, quando ataques partidos de um computador do Palácio do Planalto alteraram os perfis dos jornalistas na Wikipedia.

    Violência contra mulheres e crianças, incluindo abuso sexual, conflitos entre comunidades indígenas e fazendeiros e discriminação contra gays, lésbicas, bissexuais e transgêneros no país são outros problemas brasileiros citados no documento.

    Leave a reply →
  • Posted by John D. Tom on 11 de maio de 2013, 11:57

    Etos terminal metro cuprum, urna aliquet detos tellus libera. Egestas dui suscipit lorem etos deo eget. Nulla cuprum vestibum blandid et mollis a nisil.

    Reply →
  • Posted by Greta Fancy on 11 de maio de 2013, 11:59

    Maecenas etos sit amet, consectetur adipiscing elit. Terminal volutpat rutrum metro amet sollicitudin interdum.

    Reply →
    • Posted by John D. Tom on 13 de maio de 2013, 09:19
      in reply to Greta Fancy

      Nulla ullamcorper tincidunt dui at laoreet. Duis scelerisque dignissim lorem, in sagittis quam luctus convallis. Fusce porttitor dui ultricies placerat adipiscing, quam tortor ultricies sapien gravida molestie dolor nisl quis leo. Vestibulum arcu leo, ornare in rutrum elite ultrices est justo nunc nulla gravida.

      Reply →

Leave a reply

Cancel reply